Enquanto linguagem, a fotografia é pra mim um processo que dá vazão a grande parte daquilo que quero dizer, que quero guardar, que quero criar. É um diáfano que conecta e expõe a beleza que vejo no mundo. De alguma forma, sinto que sai de dentro pra fora.

A escrita, por outro lado, é um tanto contida, é algo mais pra mim e comigo. Se fotografar é um movimento de externar, a escrita é colocar pra dentro. É assimilar e compreender. É organizar, analisar e concluir, processos mais conscientes do que intuitivos.

Dou início a esse blog para compartilhar algumas impressões pessoais que tenho sobre meu trabalho e a fotografia, com ou sem aprofundamento.